Os estudantes das unidades de Araçás e de Cobilândia fizeram bonito no evento, realizado em Barra do Piraí (RJ) entre os dias 07 e 11 de novembro. A equipe do Sesi-ES Cobilândia (Vila Velha), formada por estudantes do 2º ano do Ensino Médio, conquistou a medalha de ouro com o lançamento do foguete, e o 4º lugar geral na competição

Que tal aplicar os conhecimentos de Física e de Matemática adquiridos em sala de aula na construção e lançamento de foguetes? Melhor ainda, poder viajar representando sua escola e seu Estado num evento que reúne equipes de todo o país? São por esses motivos que a participação dos estudantes do Ensino Médio das unidades do Sesi-ES Araçás e Cobilândia na XI Jornada de Foguetes, ocorrida entre os dias 07 e 11 de novembro, em Barra do Piraí, no Rio de Janeiro, se tornou uma experiência tão especial.

Os jovens Mylena Freitas Schultz, Jhonnatan Gabriel Telles Anselmo e Livia Alves Peçanha Rios, estudantes do 3º ano do Ensino Médio do Sesi-ES Araçás (Vila Velha), conquistaram a medalha de prata ao atingirem a marca de 123,7 metros com o lançamento de seu foguete. E os estudantes Thiago Bonadiman Tomasi, Erick Ferreira da Silva Braga e Andrew Bibiano Pereira, todos do 2º ano do Ensino Médio do Sesi-ES Cobilândia (Vila Velha), conquistaram a medalha de ouro por atingirem a marca de 232,8 metros, ficando em 4º lugar geral entre todos os competidores, sendo também a equipe melhor colocada entre as quatro escolas capixabas que participaram do evento.

Dedicação recompensada

No caso dos alunos do Sesi-ES Cobilândia, ficar em 4º lugar geral foi fruto de muita dedicação, como explica o professor de Física Eduardo Nascimento Saib, que viajou para Barra do Piraí (RJ) como orientador dos jovens. “A participação deles foi extremamente positiva, pois eles já vinham se empenhando havia meses. Vale lembrar que eles ficaram entre os cinco primeiros, ultrapassando equipes que já participam há quatro ou cinco anos do evento, sendo que esta foi a primeira participação de nossos meninos. Acredito, também, que o resultado foi alcançado porque dois dos estudantes fazem o Ebep (Educação Básica Articulada com Educação Profissional), o que lhes deu uma base mais técnica”, destaca o professor.

A dedicação é confirmada pelo estudante Andrew Bibiano Ferreira, do Sesi-ES Cobilândia. “Foi bem engraçado, para falar a verdade. No início do ano, eu, o Erick (Ferreira da Silva Braga) e o Thiago (Bonadiman Tomasi) falamos: ‘vamos para o Rio este ano? Mas vamos mesmo!’. A gente estabeleceu uma meta. Estudamos bastante, inclusive aos sábados, para construirmos o melhor foguete. E foi recompensador”, explica Andrew.

De acordo com o estudante, a estratégia adotada durante o evento deu certo. “A gente não só se preocupava com o nosso foguete, mas também observava o que as equipes tradicionalmente campeãs faziam. Isto fez uma enorme diferença. Tanto é que, a partir desse ótimo resultado de agora, vamos nos empenhar para que, no ano que vem, possamos lutar pelo 1º lugar”, afirma, decidido, o jovem estudante do Sesi-ES Cobilândia.

A equipe do Sesi-ES Araçás (Vila Velha) conquistou a medalha de prata na XI Jornada de Foguetes

Aprendizado

O estudante Jhonnatan Gabriel Telles Anselmo, da equipe do Sesi-ES Araçás, conta também um pouco dessa história em Barra do Piraí (RJ). “A gente se envolveu nos projetos com foguetes a partir do 1º ano do Ensino Médio. Foi muito bacana poder desenvolver o foguete e lançá-lo na vertical. Isso tornou o aprendizado em Física e Matemática muito mais interessante”, destaca. “Poder participar dessas competições – as classificatórias e a etapa nacional – me trouxe grandes benefícios, tanto com relação aos estudos quanto como pessoa. Desenvolvemos nosso espírito de equipe, dividindo bem as tarefas de cada um. E ainda me despertou o interesse em querer cursar Arquitetura, que envolve uma área (Ciências Exatas) que anteriormente não me chamava muito a atenção”, completa Jhonnatan.

O professor de Física Guilherme de Bortoli, que atuou como orientador dos estudantes de Araçás na XI Jornada de Foguetes, atesta os benefícios da participação deles no evento. “Todo o trabalho em equipe foi um grande avanço para eles. Não somente o companheirismo esteve em alta, mas também o comprometimento, a seriedade no desenvolvimento dos foguetes, bem como a calma e a concentração em todas as etapas da competição. Além disso, eles interagiram com as equipes de outros Estados, fazendo novas amizades e adquirindo mais conhecimentos”, destaca Guilherme.

“Vale lembrar que eles ficaram entre os cinco primeiros colocados, ultrapassando equipes que já participam há quatro ou cinco anos do evento, sendo que esta foi sua primeira participação”, ressaltou o professor de Física Eduardo Nascimento Saib (no canto esquerdo da imagem), na foto com os estudantes do Sesi-ES Cobilândia e, no centro, com o astronauta Marcos Pontes, que fez palestra no evento

O evento

A XI Jornada de Foguetes tem o apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB), Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e Fundação Marcos Pontes.

Durante todo o evento, aconteceram palestras com astrônomos e pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB), como o astronauta Marcos Pontes, e também a presença de engenheiros e professores de universidades federais explicando sobre a construção de foguetes.

Além de estimular o aprendizado, por meio de teoria e prática, a competição tem o objetivo de avaliar a capacidade dos jovens de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa PET. Integram ainda a programação palestras com temas voltados para a Astronomia e a Astronáutica.

Além de estimular o aprendizado, por meio de teoria e prática, a competição tem o objetivo de avaliar a capacidade dos jovens de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa PET

Saiba mais: www.oba.org.br

Por Fabio Martins

Imprimir