Representantes do Consulado Geral dos Estados Unidos estiveram na Federação das Indústrias do Espírito Santo nesta quarta-feira (15), para uma visita institucional, que acabou evoluindo para possibilidades de negócios para as empresas capixabas.

Uma das possibilidades é com o banco de fomento dos EUA, o chamado Development Finance Corporation (DFC), equivalente ao BNDES deles. O DFC que tem linhas de financiamento para infraestrutura e para o desenvolvimento da economia com foco nas mulheres.

“Esses são alguns exemplos, há diversas oportunidades”, afirmou Gabrielle Moseley, cônsul da Seção Política e Econômica do Consulado Geral dos EUA, sediado no Rio de Janeiro.

Ela esteve aqui com o chefe da Seção, Jesse Levinson, que demonstrou grande interesse nas informações sobre a indústria capixaba. Eles foram recebidos pelo vice-presidente da Findes, Luciano Raizer, e pelo gerente do Fórum de Petróleo e Gás da Findes, Durval Vieira de Freitas.

“Inicialmente seria uma visita institucional, mas eles ficaram impressionados com as informações sobre o Espírito Santo e a nossa indústria. Há oportunidades de negócios, de intercâmbio de tecnologia e financiamento. Eles demonstraram especial interesse em petróleo e gás e parcerias público-privadas. Oportunamente, vamos marcar uma apresentação específica sobre as linhas de financiamento para o Brasil”, disse Luciano Raizer, vice-presidente da Findes.

Os representantes do consulado também visitaram o Findeslab, onde ouviram explicações da Juliana Gavini, diretora de Tecnologia e Inovação do Senai. Inaugurado em setembro, o Findeslab já recebeu a visita de mais de 4 mil pessoas. No momento, há 412 demandas de inovação em análise, com 14 startups apoiadas. No final do mês haverá um encontro entre empresas do Brasil e de Portugal, coordenado pela Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado, para conexões e identificação de parcerias. Esse encontro é uma espécie de desdobramento da visita técnica feita a Portugal por representantes da Findes e do governo estadual, no início de novembro.

“Assim como temos esse encontro com Portugal, podemos promover outro com representantes dos EUA”, observou Luciano Raizer.

Por André Hees
Fotos de Alexandre Mendonça

Imprimir